Telefone: 13 3878-8400  |  E-mail: consultoria@creditoemercado.com.br

Consultoria em Investimentos

Ata do Copom – Piora do cenário na zona do Euro e menos risco de alta da inflação.

No entendimento do Copom – Comitê de Política Monetária, as pressões inflacionárias relativamente sob controle.  A ata da reunião ocorrida nos dias 19 e 20/07, publicada nesta quinta-feira, 28/07, assinala ainda uma percepção pior em relação ao cenário internacional, sobretudo relacionado a crise em países da zona do Euro. O documento ainda faz considerações sobre a probabilidade de a oferta de bens crescer em ritmo inferior ao da demanda, o que tenderia elevar os preços.

Na última reunião do comitê, a Selic -taxa básica de juros – foi elevada em 0,25 ponto percentual, a quinta alta consecutiva – todas ocorridas no ano de 2011. Em oposição à da reunião anterior, o discurso em relação ao índice de inflação é mais ameno e sugere uma avaliação mais favorável do cenário. “O Copom entende que o cenário prospectivo para a inflação, desde sua última reunião, mostra sinais mais favoráveis”, sustenta o documento.

Os membros do Copom insistem que a inflação mais alta no último trimestre de 2010 e no primeiro de 2011 tenha sido provocada por “choques de oferta domésticos e externos”. Economistas assinalam que a principal responsável pela pressão foi à inflacionária internacional de commodities (matérias-primas minerais e agrícolas, como alimentos). Os preços administrados por contrato – como de concessões de telefonia, energia elétrica etc. – também são assinalados os principais vilões pela Ata do Copom nos três meses iniciais de 2011.

O documento traz ainda a percepção dos economistas ligados ao mercado financeiro de que a “concessão de aumentos de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade” pode ter “repercussões negativas sobre a dinâmica da inflação”. Resumidamente, o Copom pondera que o aumento de salários discutido por entidades sindicais pode provocar alta de preços. Ainda assim, a ata aponta que as “taxas de desemprego historicamente baixas” e o “substancial crescimento dos salários” são responsáveis por manter a economia aquecida.

Deixe um Comentário

Repetir o Post