NOSSA VISÃO – 28/09/2020

RETROSPECTIVA

A semana se mostra difícil para o mercado de risco de todo o mundo, marcada pela grande volatilidade. Outro ponto de destaque, é reincidência das contaminações pelo covid-19, quem afetando principalmente Europa, gerando grande preocupação com a recuperação da economia global.

Para economia doméstica, estamos copilando todas as informações, porém, ainda temos mais fatores que causam grande preocupação como, a questão fiscal extremamente problemática e as medidas populistas adotadas pelo governo, que levam ao desequilíbrio no teto de gastos.

No plano internacional, a nova contaminação pela covid-19 em países e regionais segue sendo como o cenário básico. Durante a semana, observamos recordes de contágio na Índia, França e Reino Unido; além de outros, com governos sugerindo lockdown e restrições de contato social para evitar o alastramento. Com isso, começa a ser quebrada a possibilidade de recuperações em “V” para alguns países, e até mesmo para os EUA e China. Dados anunciados recentes levam a essa conclusão.

De olho na corrida eleitoral, o presidente Donald Trump relata a possibilidade de distribuição de vacinas até o final do ano, mesmo sabendo que uma fórmula eficaz não pode ficar pronta em pouco tempo.

Ainda nos Estados Unidos temos um discurso surgindo por parte dos presidentes regionais do FED como tema de que se faz necessário um novo pacote fiscal para o país. O retrato que se vê é de pessimismo por parte de alguns e outro descartam estratégia de juros negativos.

Já na área de influência do BOE (BC inglês), o presidente Bailey estuda a possibilidade de adoção de juros negativos, nos moldes do exemplo do BCE (BC europeu), que por sua vez, também está sendo pressionado para novas flexibilizações monetárias e mais autonomia para bancos centrais de países da zona do euro.

Na China, o PBOC (BC chinês) manteve inalterada a taxa de juros pelo quinto mês consecutivo, com a LPR de um ano em 3,35%. Já no Japão, o governo agora de Suga como primeiro-ministro e Kuroda do BOJ (BC japonês), declararam que não hesitarão em flexibilizar ainda mais a política monetária para manter a avaliação positiva mais recente.

No ambiente doméstico, o governo Bolsonaro tem um índice maior de aprovação, saindo de uma marca de 29% para 40%, conforme dados da pesquisa Ibope, justifica esse número principalmente pelo fator do Auxilio Emergencial que beneficiou grande parte da população com renda mais baixa.

Na abertura da reunião da ONU, pela primeira vez realizada de forma virtual, Bolsonaro sofreu muitas críticas da imprensa internacional com relação ao discurso sobre o meio ambiente. De modo geral o discurso não afastou o fato de temos uma economia descontrolada e com grande problema fiscal. Publicada, a ata do Copom segue a linha do comunicado pós reunião, e não destacou novidades. Em suma, o Bacen segue confiante em uma inflação controlada, mais não descarta a preocupação com ambiente econômico, reforçando o quanto é necessário dar continuidade a agenda de reformas.

RELATÓRIO FOCUS

De acordo com o relatório divulgado nesta segunda-feira, dia 21, as informações vieram em linha com as expectativas de mercado, relatando algumas diferenças com o relatório anterior, mas sem surpresas.

Para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), as projeções passaram de 1,99% para 2,05%. Para 2021, a previsão para o IPCA se manteve em 3,01%. Para 2022, as estimativas ficaram em 3,50%. O IPCA continua em 3,25% nas projeções para o ano de 2023.

A projeção para a PIB (Produto Interno Bruto) passou de -5,05% para – 5,04% para este ano, refletindo pouca melhora do desempenho da economia. Para 2021, a estimativa permaneceu em 3,50%. As projeções ficaram em 2,50% para 2022 e 23.

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar ficou em R$5,25 este ano. Para 2021, a projeção ficou em R$5,00. Já para 2022, a projeção ficou em R$4,90 e R$4,85 para 2023.

A projeção para a taxa básica de juros, a Selic, se mantem em 2,00% para 2020. Para 2021, os analistas também deixaram as projeções em 2,50%. As projeções ficaram em 4,50% em 2022 e de 5,50% para 2023.

PERSPECTIVA

Em resumo, continuamos em um cenário de incertezas, principalmente devido aos dados de crescimento divulgados nos últimos dias. Nos mostram que a economia global não está reagindo aos estímulos monetários de seus governos.

Outro ponto que traz grandes efeitos para economia global, é o surgimento de novos casos do covid-19, forçando alguns países a voltarem para o estado de quarentena, o que reflete em um fechamento da economia.

Atualmente a grande discussão em diversos países, principalmente nos EUA, é com relação a pacotes de ajustes fiscais.

No Brasil, tivemos sinais de abertura na curva de juros, o que nos preocupa quanto ao aumento de taxa de juros e a alta volatilidade nos títulos federais de longo prazo. Outro acontecimento que não tínhamos desde 2002, foram as LFT’s (Tesouro Selic) sendo negociada a taxas negativas

Outro ponto que preocupa a economia doméstica é a ação populista do governo, neste momento já visando o cenário eleitoral. Essas ações colocam em risco o teto de gastos definido, sem esse comprometimento, nossa economia caminha cada vez mais desacreditada e com dificuldade de garantir segurança aos investidores.

O mais recomendado para o atual momento é a cautela ao assumir posições mais arriscadas no curto prazo, a volatilidade nos mercados deve se manter sem ainda a desenhar um horizonte claro, em razão principalmente pelo nosso cenário político.

Mantemos nossa recomendação de adotar cautela nos investimentos e acompanhamento diário dos mercados e estratégias. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (CDI, IRF-M1, IDkA IPCA 2A). Os demais recursos mantenham-nos em “quarentena” esperando um melhor momento para realocar. Tomar decisões precipitadas enseja realizar uma perda decorrente da desvalorização dos investimentos sem possibilidades de recuperação na retomada dos mercados. Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.

* Aos clientes que investem em Fundos de Participações e Fundos Imobiliários em percentual superior a 2,5% em cada, reduzir a exposição aos Fundos de Ações na proporção desse excesso.

Indicadores Diários – 25/09/2020

Índices de Referência – Agosto/2020

Deixe um Comentário

Repetir o Post


Arquivos
  • novembro 2020
  • outubro 2020
  • setembro 2020
  • agosto 2020
  • julho 2020
  • junho 2020
  • maio 2020
  • abril 2020
  • março 2020
  • fevereiro 2020
  • janeiro 2020
  • dezembro 2019
  • novembro 2019
  • outubro 2019
  • setembro 2019
  • agosto 2019
  • julho 2019
  • junho 2019
  • maio 2019
  • abril 2019
  • março 2019
  • fevereiro 2019
  • janeiro 2019
  • dezembro 2018
  • novembro 2018
  • outubro 2018
  • setembro 2018
  • agosto 2018
  • julho 2018
  • junho 2018
  • maio 2018
  • abril 2018
  • março 2018
  • fevereiro 2018
  • janeiro 2018
  • dezembro 2017
  • novembro 2017
  • outubro 2017
  • setembro 2017
  • agosto 2017
  • julho 2017
  • junho 2017
  • maio 2017
  • abril 2017
  • março 2017
  • fevereiro 2017
  • janeiro 2017
  • dezembro 2016
  • novembro 2016
  • outubro 2016
  • setembro 2016
  • agosto 2016
  • julho 2016
  • junho 2016
  • maio 2016
  • abril 2016
  • março 2016
  • fevereiro 2016
  • janeiro 2016
  • dezembro 2015
  • novembro 2015
  • outubro 2015
  • setembro 2015
  • agosto 2015
  • julho 2015
  • junho 2015
  • maio 2015
  • abril 2015
  • março 2015
  • fevereiro 2015
  • janeiro 2015
  • dezembro 2014
  • novembro 2014
  • outubro 2014
  • setembro 2014
  • agosto 2014
  • julho 2014
  • junho 2014
  • maio 2014
  • abril 2014
  • março 2014
  • fevereiro 2014
  • janeiro 2014
  • dezembro 2013
  • novembro 2013
  • outubro 2013
  • setembro 2013
  • agosto 2013
  • julho 2013
  • junho 2013
  • maio 2013
  • abril 2013
  • março 2013
  • fevereiro 2013
  • janeiro 2013
  • dezembro 2012
  • novembro 2012
  • outubro 2012
  • setembro 2012
  • agosto 2012
  • julho 2012
  • junho 2012
  • maio 2012
  • abril 2012
  • março 2012
  • fevereiro 2012
  • janeiro 2012
  • dezembro 2011
  • novembro 2011
  • outubro 2011
  • setembro 2011
  • agosto 2011
  • julho 2011
  • junho 2011
  • maio 2011
  • abril 2011
  • março 2011
  • fevereiro 2011
  • janeiro 2011
  • dezembro 2010
  • novembro 2010
  • outubro 2010
  • setembro 2010
  • agosto 2010
  • julho 2010
  • junho 2010