Telefone: 13 3878-8400  |  E-mail: consultoria@creditoemercado.com.br

Consultoria em Investimentos

Um guia para os jovens de hoje se aposentarem tranquilamente amanhã

Se você está na casa dos 20 e poucos anos, talvez ache que é cedo demais para pensar sobre o seu futuro financeiro. E por futuro, entenda o longo, longo prazo: sua aposentadoria. Para o consultor de investimentos americano William J. Bernstein, isso está longe de ser verdade. Cada vez mais os jovens precisam ter a real noção de que a responsabilidade por seu futuro financeiro está nos seus próprios ombros, defende o especialista.

Do alto dos seus 66 anos de idade, Bernstein decidiu deixar para os mais jovens alguns dos seus conselhos sobre como assegurar uma aposentadoria tranquila, sem grande estresse durante a vida ativa. Escreveu e publicou em seu site uma espécie de panfleto intitulado “If you can – How millennials can get rich slowly”, ou numa tradução livre “Se você puder – Como os jovens podem enriquecer lentamente”, que pode ser acessado gratuitamente. Suas sugestões, no fundo, têm todas o mesmo teor: disciplina, disciplina e disciplina. Confira as principais abaixo:

Você pode investir como Warren Buffett, mas se não poupar, morrerá pobre!
Definir quanto poupar por mês para se aposentar com tranquilidade envolve cálculos que podem ser bastante detalhados. Mas, segundo Bernstein, quem começa a economizar com esse objetivo aos 25 anos de idade deve ter como meta guardar ao menos 15% do que ganha todo mês. Simples assim. Para dar conta desse objetivo, é importante limpar o histórico de dívidas, que costumam consumir uma parte considerável da renda de quem as possui. Priorize dar cabo aos débitos do cartão de crédito, normalmente os mais caros, ensina Bernstein. A cada ano, atualize o valor que você poupa segundo o avanço da inflação, de modo a assegurar que suas economias preservem seu poder de compra.

Finanças não são algo tão complexo quanto Física Nuclear, mas antes de investir é bom ter certeza de que entendeu bem pelo menos o básico!
Você sabe qual é a diferença entre uma ação e um título de dívida, como uma debênture? Pois Bernstein nos lembra que antes de optar por um ou outro investimento, é necessário conhecer o funcionamento de cada alternativa. “Tentar poupar e investir sem adquirir conhecimento prático sobre finanças é como aprender a pilotar um avião sem ter noções básicas de aerodinâmica, meteorologia ou sistemas de motores. É possível, mas eu não recomendo”, afirma Bernstein. E a primeira lição sobre finanças para qualquer um, na visão do especialista, é a seguinte: quem quer rentabilidade elevada provavelmente terá de suportar perdas em algum momento, e quem quer segurança precisará se contentar com retornos mais baixos.

Quem ignora a história financeira certamente vai repeti-la (em especial, os erros!)
Não basta conhecer o funcionamento, na prática, dos investimentos financeiros. Para Bernstein, também é importante saber sobre a história dos mercados. Novos investidores costumam ficar desorientados e confusos diante das turbulências nas bolsas de valores, por exemplo. É assim, segundo o especialista, porque eles não se dão conta de que, no fundo, a história se repete – não exatamente do mesmo jeito, mas de forma parecida. “Aprender sobre a história do mercado não se resume a saber como foram os padrões de retorno do passado. Trata-se de reconhecer o ambiente emocional do mercado, que está correlacionado com os retornos futuros que um investidor pode obter”, afirma.

Nós conhecemos o inimigo: somos nós mesmos
Conhece-te a ti mesmo, sugere Bernstein. As pessoas não estão habituadas a pensar no risco financeiro como um fator de longo prazo – afinal, sempre foram moldadas a evitar o risco imediato. O especialista convida os novos investidores a lembrar que, de tempos em tempos, podem sofrer perdas de curto prazo nas suas aplicações. Mas o grande risco ao qual todos estamos sujeitos é muito maior e mais importante: falhar em manter a disciplina de economizar e investir ao longo das décadas. “Pensando na evolução da raça humana, os comportamentos emocionais e instantâneos que nos serviram tão bem desde a pré-história são fatais nas finanças. São o que nos leva ao clássico erro de comprar na alta e vender na baixa dos mercados”, afirma.

Para implementar o plano traçado por Bernstein, alguns passos são requeridos: livrar-se das dívidas, formar um fundo de emergência e, então, poupar de forma disciplinada para o futuro de longo prazo – em outras palavras, para a aposentadoria. Bons investimentos!

Fonte: Como Investir

Deixe um Comentário

Repetir o Post