Telefone: 13 3878-8400  |  E-mail: consultoria@creditoemercado.com.br

Consultoria em Investimentos

ANALISTAS DO MERCADO FINANCEIRO ELEVAM PROJEÇÃO PARA SELIC EM 2013 E 2014

Os analistas das instituições financeiras elevaram a sua estimativa em relação à taxa básica de juros da economia para 2013 e 2014. Da mesma forma, subiram a sua projeção para o índice oficial de inflação do governo medido pelo IPCA para este e para o próximo ano.  Estas informações constam do Relatório de Mercado – FOCUS, publicado semanalmente pelo Banco Central do Brasil baseado em pesquisa junto aos economistas de 100 instituições financeiras do mercado.

Inflação

Os analistas dos bancos elevaram, a sua estimativa para o IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo para 2013 de 5,86% para 5,87%. Para 2014, os economistas dos bancos também elevaram a sua projeção para o índice oficial que baliza as metas para a inflação do governo de 5,80% para 5,88%.

Inflação de curto prazo

As instituições financeiras classificadas como Top 5, em razão de apresentarem a melhor média de acertos em sua projeção, reduziram a sua estimativa para o IPCA de junho de 0,36% para 0,35%. Para o índice de inflação de julho, os analistas do mercado financeiro que mais acertam a sua projeção, também reduziram a sua projeção para o IPCA de 0,26% para 0,24%.

Para a expectativa em relação ao índice de inflação acumulada para os próximos 12 meses a projeção dos analistas do mercado financeiro recuou de 5,66% para 5,65%.

PIB

Os economistas das instituições financeiras reduziram pela sétima semana seguida, a sua estimativa para o PIB – Produto Interno Bruto brasileiro em 2013 de 2,46% para 2,40%. A projeção para a produção industrial brasileira de 2013, igualmente, foi reduzida pelos analistas do mercado financeiro, de 2,56% para 2,49%.

Para 2014, a estimativa dos economistas dos bancos para o crescimento da economia brasileira medida pelo PIB, recuou de 3,10% para 3,00%. Já a estimativa para a produção industrial para 2014 foi elevada de 3,10% para 3,20%.

Juros

O mercado financeiro voltou a surpreender, e elevou a sua estimativa para a taxa básica de juros da economia de 9,00% ao ano para 9,25%, tanto para 2013 como para 2014.

Os investimentos estrangeiros no segmento de renda fixa no Brasil, em junho, até o dia 19, já superaram o resultado de janeiro a maio deste ano. Os dados preliminares deste mês mostram que esses investimentos chegaram a US$ 4,913 bilhões. Nos cinco meses do ano, foram US$ 4,17 bilhões.

De acordo com o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, é possível que os investidores estejam migrando das aplicações em ações para renda fixa, devido à isenção do IOF. É possível que o resultado parcial de junho, com saída de ações e ingresso de renda fixa, em alguma medida esteja espelhando isso.

Pode-se perceber a recuperação do índice IMA do meio do mês de junho em diante, este fato aliado à compra de títulos públicos pelos Fundos de Pensão pode provocar uma pressão compradora, fazendo com que a taxa de juros feche (recue) favorecendo o retorno dos fundos atrelados à inflação.

É importante ressaltar que esta recuperação só será possível caso não tenhamos uma piora no cenário econômico nacional e internacional e do fluxo de noticias positivas.

Câmbio

Os analistas dos bancos elevaram a sua estimativa para a taxa de câmbio em 2013 de R$ 2,13 para R$2,15 por unidade da moeda norte-americana. Para 2014, a estimativa dos analistas do mercado financeiro para o dólar ficou inalterada em R$2,20 por dólar.

Balanço de pagamentos e IED

O mercado financeiro voltou a reduzir a sua projeção para o saldo positivo da balança comercial brasileira para 2013 de US$6,50 bilhões para US$6,00 bilhões. Para 2014, a projeção de superávit comercial recuou de US$ 8,00 bilhões para US$ 7,35 bilhões.

A projeção de entrada de IED – Investimentos Estrangeiros Diretos permaneceu em US$ 60 bilhões.

Para 2014, a estimativa dos analistas dos bancos para a entrada de investimentos estrangeiros permaneceu em US$ 60 bilhões.

Deixe um Comentário

Repetir o Post