Como vovó já dizia

Você é daqueles que escolhe seu fundo imobiliário apenas pela rentabilidade? Melhor ouvir a sabedoria popular. Oito provérbios para ajudar a escolher fundos imobiliários

Os fundos de investimento imobiliário (FII) são uma ótima ferramenta para quem deseja investir em negócios imobiliários sem ter de comprar um imóvel. Mas, como todo investimento, também demanda cuidados. Veja como a sabedoria popular de oito provérbios pode ajudar a avaliar escolhas antes de aplicar seu dinheiro em cotas de um FII.

Quem não sabe para onde v ai está sempre perdido

Antes de investir, certifique-se de que o objetivo de investimento do fundo está alinhado com o seu. Por exemplo, alguém que queira receber aluguéis mensais regulares não deve investir em um fundo que tenha por objetivo a construção e venda de imóveis residenciais. Procura por um fundo que gere renda de aluguel? Veja se os imóveis ficam em regiões onde você investiria quem são os locatários etc.

Não se faz negócio bom com pessoa ruim

Procure saber o máximo de informações sobre o administrador do fundo. O investimento por meio de FII é indireto, é o administrador quem decide quais imóveis comprar ou vender, em que locais, o preço a pagar ou receber pelos imóveis, para quem alugá-los, o valor do aluguel, as garantias do aluguel etc. Também decide a empresa que administrará um shopping, onde aplicar o dinheiro que está em caixa, quais recebíveis imobiliários comprar ou vender, quais cotas de FII comprar ou vender, enfim, o sucesso de um fundo depende principalmente da qualidade e honestidade do administrador.

Quem vê cara não v ê coração

O valor de face da cota do fundo não diz nada sobre o preço. Para saber se o preço de um fundo não está muito caro é preciso verifica o indicador P/VP (preço / valor patrimonial). Dividindo o preço da cota pelo valor patrimonial da cota, têm-se a real noção de quanto se está pagando pelo fundo face ao patrimônio. Quanto mais próximo de 1,00 for o resultado dessa divisão, melhor.

Por exemplo, um fundo tem valor patrimonial de R$ 1.000 e as cotas estão negociadas a R$ 1.200 na Bolsa.

P/VP = 1.200/1.000 = 1,20

Quem comprar as cotas por este preço sabe que está pagando 20% mais do que vale o patrimônio do fundo. Quem visa ganhar com a potencial valorização das cotas precisa estar atento a isso.

Não coloque todos os ovos numa única cesta

Uma das grandes vantagens do investimento por meio de FII é a possibilidade de diversificar. Por isso, para escolher onde alocar seu dinheiro, é importante conhecer o portfólio do fundo e verificar se ele é bem diversificado, tanto em imóveis, quanto em locatários. Quanto mais imóveis em endereços diferentes e quanto mais locatários diferentes, mais diversificado é o patrimônio do fundo. O mesmo vale para carteira de recebíveis imobiliários, fundos de fundos etc. A diversificação dilui os riscos. As chances de um fundo que possua um único imóvel e um único locatário dar prejuízos é muito maior do que a de um fundo que possua, por exemplo, dez imóveis locados para dez empresas diferentes.

Lucro é vitamina, liquidez é oxigênio

A liquidez é outra vantagem dos FII. É muito mais fácil vender cotas do que vender um imóvel. Além disso, feita a venda, o dinheiro é creditado em três dias. Mas nem todos os fundos têm boa liquidez. Por isso, verifique qual a média da negociação diária do fundo antes de se decidir pelo investimento. Quanto mais liquidez, mais segurança. Não subestime a importância de privilegiar a liquidez.

Quando a esmola é muita, o santo desconfia

Fundos imobiliários distribuem rendimentos em dinheiro, iguais para todos os cotistas. Rentabilidade, cada um tem a sua. Dividindo o rendimento recebido pelo valor líquido pago pelas cotas, cada investidor apura qual foi a sua rentabilidade. Por exemplo, um fundo distribuiu R$ 0,70 por cota. Todos os cotistas receberam exatamente o mesmo valor: R$ 0,70 por cota. O investidor A pagou R$ 100,00 pelas cotas e o investidor B pagou R$ 115,00. Cada um terá uma rentabilidade.

Investidor A

0,70/100 = 0,70%

Investidor B

0,70/115 = 0,61%

A rentabilidade do investidor A será de 0,70%, já a do investidor B será de 0,61%. Portanto, não é o fundo que dá rentabilidade boa ou ruim. O preço de compra das cotas do FII é que vai definir a rentabilidade de cada cotista.

Note que rentabilidade maior ou menor será consequência da percepção do mercado em relação aos fatores de risco. Se a rentabilidade de um fundo estiver muito acima da média do mercado, tenha certeza de que ele oferece mais riscos do que os outros e, portanto, os investidores só aceitam correr estes riscos em troca de lucros maiores. Se o fundo tiver problemas, a desvalorização das cotas pode ser muito maior do que os lucros iniciais com os rendimentos mais altos. Além disso, verifique qual a média dos rendimentos dos últimos 12 meses ao menos, para poder identificar se as distribuições são uniformes ou sazonais, se existem valores não recorrentes (rendas extras), se não está havendo pagamento de amortização de cotas etc.

Quem fica parado é poste

Alguns fundos fizeram uma única emissão de cotas e nunca mais aumentaram seu patrimônio. Não significa que não sejam bons fundos, mas é salutar que façam novas emissões periodicamente. Assim, o fundo arrecada dinheiro para mais investimentos e atrai mais cotistas. Aumentando o patrimônio do fundo, também melhora a diversificação e a liquidez das cotas em Bolsa.

A assombração sabe para quem aparece

Monte uma carteira diversificada, escolha ao menos três fundos diferentes. Dentre eles, claro que você pode alocar recursos em um fundo mais arriscado. Risco alto não é certeza de problemas, apenas maior probabilidade. Mas se sua carteira tiver apenas fundos mais arriscados, as chances de enfrentar problemas serão bem maiores.

Converse sempre com o seu assessor de investimentos, leia os relatórios dos fundos, informe-se sobre as perspectivas do mercado imobiliário e invista conscientemente.

Fonte primária da informação: Infomoney

Por Arthur Vieira de Moraes

Deixe um Comentário

Repetir o Post


Arquivos
  • junho 2021
  • maio 2021
  • abril 2021
  • março 2021
  • fevereiro 2021
  • janeiro 2021
  • dezembro 2020
  • novembro 2020
  • outubro 2020
  • setembro 2020
  • agosto 2020
  • julho 2020
  • junho 2020
  • maio 2020
  • abril 2020
  • março 2020
  • fevereiro 2020
  • janeiro 2020
  • dezembro 2019
  • novembro 2019
  • outubro 2019
  • setembro 2019
  • agosto 2019
  • julho 2019
  • junho 2019
  • maio 2019
  • abril 2019
  • março 2019
  • fevereiro 2019
  • janeiro 2019
  • dezembro 2018
  • novembro 2018
  • outubro 2018
  • setembro 2018
  • agosto 2018
  • julho 2018
  • junho 2018
  • maio 2018
  • abril 2018
  • março 2018
  • fevereiro 2018
  • janeiro 2018
  • dezembro 2017
  • novembro 2017
  • outubro 2017
  • setembro 2017
  • agosto 2017
  • julho 2017
  • junho 2017
  • maio 2017
  • abril 2017
  • março 2017
  • fevereiro 2017
  • janeiro 2017
  • dezembro 2016
  • novembro 2016
  • outubro 2016
  • setembro 2016
  • agosto 2016
  • julho 2016
  • junho 2016
  • maio 2016
  • abril 2016
  • março 2016
  • fevereiro 2016
  • janeiro 2016
  • dezembro 2015
  • novembro 2015
  • outubro 2015
  • setembro 2015
  • agosto 2015
  • julho 2015
  • junho 2015
  • maio 2015
  • abril 2015
  • março 2015
  • fevereiro 2015
  • janeiro 2015
  • dezembro 2014
  • novembro 2014
  • outubro 2014
  • setembro 2014
  • agosto 2014
  • julho 2014
  • junho 2014
  • maio 2014
  • abril 2014
  • março 2014
  • fevereiro 2014
  • janeiro 2014
  • dezembro 2013
  • novembro 2013
  • outubro 2013
  • setembro 2013
  • agosto 2013
  • julho 2013
  • junho 2013
  • maio 2013
  • abril 2013
  • março 2013
  • fevereiro 2013
  • janeiro 2013
  • dezembro 2012
  • novembro 2012
  • outubro 2012
  • setembro 2012
  • agosto 2012
  • julho 2012
  • junho 2012
  • maio 2012
  • abril 2012
  • março 2012
  • fevereiro 2012
  • janeiro 2012
  • dezembro 2011
  • novembro 2011
  • outubro 2011
  • setembro 2011
  • agosto 2011
  • julho 2011
  • junho 2011
  • maio 2011
  • abril 2011
  • março 2011
  • fevereiro 2011
  • janeiro 2011
  • dezembro 2010
  • novembro 2010
  • outubro 2010
  • setembro 2010
  • agosto 2010
  • julho 2010
  • junho 2010