Telefone: 13 3878-8400  |  E-mail: consultoria@creditoemercado.com.br

Consultoria em InvestimentosConsultoria em Investimentos

setembro, 2012

Mercado financeiro estima fim da redução de juros em 2012

O Relatório de Mercado – Focus divulgado hoje, 24/09, pela autoridade monetária revela que na avaliação dos analistas do mercado financeiro, o Copom – Comitê de Política Monetária não deverá promover novo corte de juros na próxima reunião que acontece no mês de outubro.

A mudança na expectativa dos agentes econômicos de seve ao fato de que na ata da última reunião do comitê do Banco Central, que aconteceu em agosto, a informação passada foi que um “ajuste adicional” nas “condições monetárias” (cortes de juros), se acontecer, seria realizado com “máxima parcimônia”

O mercado financeiro vinha mantendo a seis semanas seguidas a expectativa que a taxa de juros encerrasse o ano em 7,25% ao ano, o que pressupunha uma nova redução na taxa Selic, atualmente em 7,5% ao ano, na próxima reunião do Copom – Comitê de Política Monetária que acontece em outubro. Entretanto, nesta edição do Relatório Focus, os analistas das instituições financeiras passaram a acreditar que a taxa básica de juros encerre o ano em 7,50% ao ano, ou seja, não haverá novo corte de juros em 2012. Para o próximo ano, a projeção dos economistas dos bancos para a taxa Selic foi mantida em 8,25% ao ano – o que indica uma expectativa de elevação dos juros em 2013.

Logo, pressupõem-se que, na avaliação do mercado financeiro, a flexibilização da política monetária que foi iniciada em agosto de 2011 deverá ser interrompida.

Inflação e cambio

Os analistas dos bancos elevaram pela décima primeira semana seguida a sua projeção para o índice oficial de inflação do governo para 2012. A estimativa foi elevada de 5,26% para 5,35%, ficando desta forma mais distante do centro da meta que é definida pelo CMN – Conselho Monetário Nacional, que é de 4,50% podendo variar dois para mais e dois para menos. Para 2013, a estimativa dos economistas das instituições financeiras para o IPCA ficou  em 5,50%.

Em relação à inflação de curto prazo, o mercado financeiro também elevou a sua projeção para o IPCA de 0,45% para 0,50% para o mês de setembro. Para o mês de outubro, também houve  elevação da projeção do índice oficial de inflação de 0,48% para 0,50%.

A estimativa do mercado financeiro para a taxa de câmbio em 2012 permaneceu em R$ 2,00 por unidade da moeda norte-americana. Para 2013, a projeção ficou igualmente em R$ 2,00.

Crescimento econômico

A projeção dos analistas dos bancos para o crescimento da economia brasileira medida pelo PIB – Produto Interno Bruto em 2012, ficou 1,57%, desta forma foi quebrada uma sequência de sete quedas consecutivas  do indicador do desempenho econômico. Para o próximo ano, a estimativa do mercado financeiro foi mantida 4,00% para o crescimento da economia brasileira.

Balança comercial e IED

A estimativa dos analistas dos bancos para o saldo positivo da balança comercial para 2012 permaneceu em US$ 18 bilhões, mesma projeção da semana passada. Para 2013, a expectativa do mercado para o resultado da balança comercial foi elevado de US$ 14,40 bilhões para US$ 14,48 bilhões.

A estimativa dos analistas das instituições financeiras para o ingresso de IED – Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil subiu de US$ 55 bilhões para US$ 56 bilhões. Para 2013, a projeção do mercado financeiro para o ingresso de recursos vindos do exterior foi elevada de US$ 58 bilhões para US$ 59 bilhões.

Mercado eleva projeção para inflação e reduz estimativa de PIB para 1,57%

O Relatório de Mercado – Focus divulgado hoje pelo Banco Central, revela que a estimativa dos analistas das instituições financeiras em relação ao  crescimento da economia brasileira, medido pelo PIB – Produto Interno Bruto para 2012 foi reduzida pela sétima semana seguida, recuando  de  1,62% para 1,57%.

Caso se confirme, este será o pior desempenho da economia brasileira desde 2009, naquela época o Brasil sentia os reflexos da primeira onda da crise financeira internacional. O crescimento da economia brasileira naquele instante apresentou  recuo de 0,30%. No primeiro semestre de 2012 o PIB mostra crescimento de 0,60%, em comparação ao mesmo período de 2011. O segundo trimestre do ano, a economia apresentou crescimento de 0,40%, segundo conforme divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Visão do governo

O Ministério da Fazenda, na última semana, reduziu de 3,00% para 2,00% a sua projeção para a evolução do PIB para 2012. A Estimativa foi reduzida mesmo com as várias medidas de estímulo à economia implementadas, ao longo deste ano, como a redução do IPI para a linha branca (geladeiras, fogões e máquinas de lavar) e para os automóveis.

Outras medidas adotadas foram à redução do IOF para empréstimos tomados pelas pessoas físicas, desoneração da folha de pagamentos, liberou mais de R$ 70 bilhões em depósitos compulsórios para os bancos e vem reduzindo a taxa básica de juros desde agosto do ano passado. Atualmente, os juros estão em 7,50% ao ano e a tendência é que a taxa básica de juros deva fechar o ano em 7,25% em 2012

Inflação

Os analistas das instituições financeiras elevaram sua estimativa para a inflação para este ano. A projeção foi elevada, pela décima vez seguida, subindo de 5,24% para 5,26%. Para próximo ano a projeção do mercado financeiro para o índice oficial de inflação caiu de 5,54% para 5,50%.

Em relação à inflação de curto prazo, os analistas dos bancos também elevaram a sua estimativa para a variação do IPCA de 0,44% para 0,45%. Entretanto, para outubro o mercado financeiro manteve a estimativa para o IPCA em 0,48%.

Selic

Os economistas das instituições financeiras mantiveram a projeção para a taxa básica de juros da economia brasileira em 7,25% ao ano – logo, o mercado trabalha com a expectativa de uma nova redução de 0,25 ponto percentual, na próxima reunião do Copom – Comitê de Política Monetária  no próximo mês. Para o fim do próximo ano, a estimativa dos analistas dos bancos para a taxa básica de juros permaneceu em 8,25% ao ano.

Câmbio

A projeção dos economistas das instituições financeiras para a taxa de câmbio ao fim de deste ano permaneceu em R$ 2,00 por unidade da moeda norte-americana. Para 2013, a estimativa permaneceu também em R$ 2,00.

Balanço de pagamentos e IED

Em relação ao saldo liquido da balança comercial (exportações menos importações) para 2012 o mercado financeiro manteve a projeção de superávit em US$ 18 bilhões. Para o próximo ano, a estimativa do mercado financeiro para o superávit da balança comercial brasileira recuou de US$ 14,57 bilhões para US$ 14,40 bilhões.

A estimativa para o ingresso de IED – Investimento Estrangeiro Direto no Brasil em 2012 permaneceu em US$ 55 bilhões. Para 2013, a estimativa dos economistas dos bancos para a entrada de investimentos estrangeiros continuou em US$ 58 bilhões.

Mercado eleva projeção para a inflação medida pelo IPCA, aponta Focus

O Relatório de Mercado – Focus, divulgado na manhã desta segunda-feira, 10/09, pelo Banco Central do Brasil revela que os economistas das instituições financeiras  reduziram a sua estimativa para o crescimento da economia brasileira pela sexta semana seguida, desta forma a estimativa para este ano foi reduzida de 1,64% para 1,62%. Para o próximo ano, a projeção foi mantida em 4,00%.

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou que o PIB apresentou crescimento de 0,40% no segundo trimestre, acumulando alta de 0,6% até a metade deste ano, se comparado ao mesmo período de 2011.

Inflação

A projeção do mercado financeiro para o IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo  para 2012 foi elevada de 5,20% para 5,24%. Com esta é a nona semana consecutiva de elevação da expectativa de alta do índice oficial de inflação do governo. Para 2013, a estimativa dos analistas dos bancos para o IPCA subiu de 5,51% para 5,54%.

Selic

Em relação à taxa básica de juros da economia para 2012, a projeção dos economistas dos bancos permaneceu em 7,25% ao ano – o que indica uma nova possibilidade de redução da ordem de 0,25 ponto percentual na próxima reunião do Copom – Comitê de Política Monetária do Banco Central. Os juros básicos da economia hoje marcam a mínima histórica de 7,5o% ao ano. Para 2013, a estimativa voltou a recuar de 8,50% para 8,25% ao ano.

Câmbio

A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio para este ano permaneceu em R$ 2,00 por unidade da moeda norte-americana. Para  2013, a estimativa igualmente se manteve  em R$ 2 por dólar.

Balanço de pagamentos e IED

Os analistas das instituições financeiras reduziram de US$ 18,04 bilhões para US$ 18 bilhões a sua estimativa para o saldo positivo da balança comercial brasileira em 2012. Para o próximo ano, a projeção do mercado financeiro para o superávit da balança comercial brasileira também recuou, na avaliação o saldo deve cair de US$ 15 bilhões para US$ 14,57 bilhões.

Projeção do mercado para o ingresso de IED – Investimento Estrangeiro Direto de no Brasil permaneceu em US$ 55 bilhões. Para 2013, a estimativa dos economistas dos bancos para a entrada de recursos no setor produtivo recuou de US$ 59 bilhões para US$ 58 bilhões.

Mercado mantém estimativa para a Selic em 7,25% para 2012

O Relatório de Mercado – Focus divulgado hoje, 03/09 pelo Banco Central revela que os analistas das instituições financeiras elevaram ligeiramente a sua projeção para a inflação do próximo ano medida pelo IPCA – Índice de Preços ao Consumidor amplo passando de 5,50% para 5,51%. A estimativa de elevação do índice oficial de inflação para os próximos 12 meses foi elevado ligeiramente de 5,64% para 5,65%.

Para 2012 a projeção do mercado financeiro foi elevada pela oitava semana seguida, saltando de 5,19% para 5,20%. Há pouco mais de um mês a estimativa era de 5,00%.

Esse elevação na estimativa de inflação pelo mercado afasta o índice do centro da meta oficial, que é de 4,50 por cento.

A aceleração dos indicadores de inflação e a percepção da melhora nos fundamento da economia alteraram a expectativa dos agentes do mercado financeiro que passaram a conjecturar sofre o fim do ciclo de afrouxamento monetário promovida pela autoridade monetária.

O IPCA-15 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 prévia do índice de  inflação oficial, acelerou em agosto para uma alta de 0,39%, diante da elevação de 0,33% no mês anterior, variação pouco superior a esperada pelo mercado.

Apesar disso, a autoridade monetária tem afirmado repetidas vez que, mesmo com maior pressão inflacionária, o crescimento econômico vai ocorrer com a inflação sob controle.

A pesquisa Focus desta segunda-feira indicou também que o mercado manteve a previsão de que o dólar encerrará este ano a 2 reais.

Entre todos os analistas ouvidos pelo BC, a mediana das estimativas para o IPCA em agosto teve ligeira alta, de 0,37% para 0,38%, acima do 0,32% previsto há um mês. Para setembro, a previsão passou de 0,40% para 0,41%, ante 0,40% há quatro semanas.

Taxa de juros

A estimativa dos economistas do mercado financeiro para o  fechamento da taxa Selic ao final de 2012 permaneceu em 7,25%. Para o fim de 2013, o mercado financeiro elevou de 8,25% para 8,50%, na semana passada os analistas dos bancos haviam reduzido a estimativa para a taxa do próximo ano para 8,38%.

Após o Banco Central reduzir a Selic para 7,50%, os economistas das instituições financeiras mantiveram a expectativa de que a taxa básica de juros deverá sofrer mais uma redução de 0,25 ponto percentual e deverá encerrará  o ano em 7,25%.

O COPOM – Comitê de Política Monetária reduziu a Selic em 0,50 ponto percentual na semana passada e deixou claro que, se houver espaço para um novo corte, ele será feito com “máxima parcimônia”.

Os analistas do mercado financeiro entenderam este comunicado como uma indicação de que o banco central reduzirá o ritmo dos juros verificados nas reuniões nos últimos meses, e que na reunião de outubro a taxa poderá sofrer um corte de 0,25 ponto percentual.

Crescimento Econômico

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia medido pelo PIB – Produto Interno Bruto foi reduzida de 1,73% para 1,64% em 2012. Para 2013, a projeção foi mantida em 4,00 por cento.

Apesar na última sexta-feira, 31/08, o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística  ter informado que a economia brasileira cresceu 0,40% no segundo trimestre de 2012, em comparação ao primeiro trimestre, com destaque positivo para a agropecuária e preocupante queda dos investimentos e recuo da indústria.

Balanço de Pagamentos

O mercado financeiro elevou levemente a projeção para o déficit em transações correntes para 2012. O pesquisa Focus conduzida pela autoridade monetária revela que a mediana das estimativas de saldo negativo em conta corrente do balanço de pagamentos para 2012 recuou de US$ -58,71 para US$ -58,80bilhões. Há um mês, estava em -59,63 0 bilhões. Para 2013, a estimativa de déficit nas contas externas permaneceu inalterada em US$ 70 bilhões pela quarta semana.

O mercado financeiro elevou a estimativa de superávit da balança comercial brasileira em 2012 de US$ 18,00 bilhões para US$ 18,04 bilhões. Para o ano que vem, a projeção foi mantida em US$ 15 bilhões.

Em relação ao IED – Investimento Estrangeiro Direto, os analistas dos bancos mantiveram em US$ 55 bilhões a estimativa para a entrada de recursos estrangeiros em 2012. Para 2013, a projeção de entrada de recursos estrangeiros no setor produtivo subiu de US$ 59 bilhões para US$ 59,01 bilhões.