março, 2011

Banco Central reduz projeção de crescimento do PIB deste ano para 4%

O Banco Central reduziu hoje- 30/03- a projeção para o crescimento do PIB – Produto Interno Bruto para 2011 de 4,5% para 4%, esta informação consta do relatório de inflação do primeiro trimestre.

Sendo assim, a estimativa do Banco Central fica mais distante da projeção do Ministério da Fazenda, que é de 5% de crescimento. Dado, que faz parte do orçamento de 2011. Com a revisão, entretanto, a estimativa da autoridade monetária se alinha com percepção do mercado financeiro, que projeta crescimento de 4% para o PIB.

Conforme o Banco Central, a redução de sua projeção para o PIB em 2011 foi motivada pela “incorporação de dados preliminares do primeiro trimestre [de 2011] e da atualização do cenário macroeconômico para os seguintes”.

Esclarecimento
O presente ciclo de crescimento econômico  do Brasil, segundo diagnóstico do Banco Central, mostrou relativa redução nos dois últimos trimestres de 2010.

“A tendência de acomodação da atividade econômica deve persistir nos próximos meses, refletindo as ações de política monetária e de caráter macroprudencial, bem como a base de comparação mais elevada após a forte recuperação registrada ao longo de 2010, constituindo, assim, cenário favorável ao crescimento sustentável”.

O Banco Central quer dizer é  que a estimativa de crescimento menor está ligada a elevação dos compulsórios, ação que retirou em dezembro R$ 61 bilhões da economia para arrefecer o consumo, congregada às elevações na taxa de juros no inicio do ano. Essas medidas visam reprimir a demanda e, desta forma, evitar a evolução dos índices de inflação. É importante ressaltar que o crescimento de 7,5% em 2010 gera uma base de comparação elevada.

Setores
Segundo a autoridade monetária o cenário o crescimento da economia considera uma evolução de 1,9% para a agropecuária em 2011, com queda de 1,4 pontos percentuais frente à estimativa anterior, e de 4,2% para a indústria (a projeção anterior mostrava de um crescimento de 5,4%), com 3,6% de crescimento para a indústria de transformação, anteriormente a projeção era de 4,9%, e de 5,2% para a construção civil (a expectativa anterior era de 6,6% de crescimento).

Para o segmento  de serviços, a projeção do Banco Central aponta um crescimento de 3,8%. A estimativa de crescimento projetada para o setor era de 4,2%. Para o comércio, a autoridade monetária projeta um crescimento de 4,2% para  2011, diferente da estimativa anterior que era de 5%, e de 6,2% para os serviços de intermediação financeira.

Mercado eleva pela 3ª vez seguida projeção para IPCA e reduz estimativa para juros e PIB

O Banco Central divulgou nesta segunda-feira – dia 28/03 – através do relatório de mercado, Focus – documento elaborado pelo Banco Central com base em pesquisa a economistas de 100 instituições financeiras na semana anterior, que pela terceira vez seguidas os analistas do mercado financeiro elevaram a sua projeção para a variação do IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo  de 2011 de 5,88% para 6%, Para 2012,  a estimativa do mercado para o IPCA subiu de 4,80% para 4,91%.

Juros
A despeito da projeção para o indicador de inflação estar subindo pelo menos um mês, o mercado reduziu, na última pesquisa, a sua estimativa para a taxa básica de juros da economia brasileira, Selic,  para o final de 2011. Hoje, a taxa básica está em 11,75% ao ao ano. A expectativa anterior era de que os juros encerracem 2011 em 12,50% ao ano. Hoje, entretanto, o mercado reduziu sua estimativa e a taxa Selic deverá encerrar este ano em 12,25% ao ano, o que implicaria em  uma elevação menor dos juros ao longo de 2011. Para 2012, a projeção dos economistas do  mercado para a Selic continuar a ser de 11,25% ao ano. Isso significa que os o mercado estima queda dos juros no próximo ano.

PIB e câmbio

Os analistas de mercado financeiro reduziram outra vez, a sua projeção para a evolução do PIB – Produto Interno Bruto de 2011, que recuou de 4,03% para 4%. Com esta é a quinta redução consecutiva da projeção. Para 2012, os analistas do mercado esperam um recuo do crescimento da economia brasileira, de 4,40% para 4,30%.

A expectativa do mercado financeiro para a taxa de câmbio ao final de 2011 permaneceu firme em R$ 1,70 por dólar. Para o encerramento de 2012, a estimativa do mercado financeiro para a taxa de câmbio permaneceu em R$ 1,75 por dólar.

Balanço de pagamentos e IED
Os economistas do mercado financeiro projetam superávit da balança comercial -exportações menos importações- para 2011 a estimativa subiu de US$ 15 bilhões para US$ 15,5 bilhões na semana passada.

Para 2012, a estimativa dos economistas do mercado financeiro para o superávit do saldo da balança comercial subiu de US$ 8,3 bilhões para US$ 9 bilhões.

Em relação aos IED – Investimentos Estrangeiros Diretos, a estimativa do mercado para a entrada de recursos em 2011 foi elevada de US$ 42,5 bilhões para US$ 44 bilhões. Para 2012, a projeção de entrada de investimentos no Brasil permaneceu em US$ 44 bilhões.

Mercado projeta inflação maior e PIB menor para 2011

Os analistas do mercado financeiro alteraram a projeção da inflação medida pelo IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo para 2011. A expectativa para o índice de inflação oficial do governo para 2011 foi elevada de 5,82% para 5,88%, em um nível ainda mais bem acima do centro da meta de inflação, que é de 4,50% este ano. A meta tem margem de tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo.

Com este é a segunda elevação seguida da estimativa de inflação deste ano. Para o ano de 2012, a estimativa dos analistas do mercado para o IPCA permaneceu estável em 4,80%.

Taxa de juros

A expectativa dos economistas do mercado financeiro é elevação da taxa básica de juros para 12,25% ao ano na reunião do COPOM – Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central que acontece em abril. Até o fim do ano, a projeção do mercado financeiro é de um novo aumento uma vez que  a expectativa do mercado financeiro é de que a taxa encerre 2011 em 12,50% ao ano. Para 2012, a estimativa do mercado para a taxa de juros básicos da economia ficou em 11,25% ao ano. Isso significa dizer que  mercado projeta queda dos juros no próximo ano.

PIB e Taxa de câmbio

O mercado financeiro encurtou a projeção de crescimento do PIB – Produto Interno Bruto para 2011, de 4,10% para 4,03%, conforme o Relatório de Mercado – Focus, divulgado hoje, 21/03, pelo Banco Central. Para o 2012, a expectativa para o crescimento da economia recuou de 4,45% para 4,40%.

A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio ao final de 2011 continuou firme em R$ 1,70 por dólar. Para o encerramento de 2012, a estimativa do mercado financeiro para a taxa de câmbio permaneceu inalterada em R$ 1,75 por dólar.

A estimativa para o crescimento da produção industrial em 2011 passou de 4,10% para 4,00%. Para 2012, a projeção para a expansão da indústria subiu de 4,50% para 4,70%.

Balanço de pagamentos e IDE

A estimativa dos analistas do mercado financeiro para o saldo da balança comercial, exportações menos importações, para  2011 subiu de um superávit de US$ 15 bilhões contra US$ 13,5 bilhões na semana passada.

Para 2012, a projeção dos economistas para o saldo da balança comercial subiu de um superávit de US$ 8 bilhões para US$ 8,3 bilhões.

Em relação aos IED – Investimentos Estrangeiros Diretos, a estimativa do mercado para o ingresso recursos estrangeiros em 2011 subiu de US$ 42 bilhões para US$ 42,5 bilhões. Para 2012, a expectativa de ingresso de investimentos no Brasil subiu de US$ 43 bilhões para US$ 44 bilhões.

Mercado espera elevação da Selic na reunião do Copom em abril

O relatório de mercado – Focus, divulgado hoje, 14/03, pelo Banco Central mostra que os analistas do mercado financeiro voltaram a elevar a projeção para o IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo para 2011, que subiu de 5,78% para 5,82%, Na semana passada, após várias altas consecutivas, a perspectiva do mercado em relação ao IPCA deste ano havia recuado. Para 2012, os analistas do mercado estimam que o IPCA permaneça estável em 4,80%.

Selic
Na visão do mercado, a taxa Selic deverá encerrar 2011 em 12,50% ao ano. Os analistas estimam que a taxa básica de juros deva ser elevada novamente na próxima reunião do Copom – Comitê de Política Monetária  em abril. Para o fim de 2012, a expectativa dos economistas do mercado para a taxa básica de juros da economia continuou em 11,25% ao ano. Isso significa dizer que o mercado espera queda da taxa de juros no próximo ano.

PIB e câmbio
Os analistas do mercado financeiro reduziram mais uma vez, a sua projeção para o crescimento do PIB – Produto Interno Bruto para o ano de 2011 de 4,29% para 4,1%. Com esta é a terceira queda seguida da estimativa do indicador. Para o ano de 2012, a expectativa dos economistas do mercado para o crescimento da economia brasileira caiu de 4,5% para 4,45%.

Em relação a taxa de cambio, o mercado financeiro projeta estabilidade para taxa de câmbio para o fim de 2011 emR$ 1,70 por dólar. Para o encerro de 2012, a estimativa do mercado financeiro para a taxa de câmbio recuou de R$ 1,77 para R$ 1,75 por dólar.

Balanço de pagamentos e IED

Na visão dos analistas do mercado financeiro a balança comercial, que engloba exportações menos importações, em 2011 deverá apresentar elevação no superávit, subindo de US$ 13 bilhões para US$ 13,5 bilhões na semana passada.

Para 2012, a projeção  do mercado financeiro para o saldo positivo da balança comercial cresceu de US$ 7,85 bilhões para US$ 8 bilhões.

Em relação ao IED – Investimentos Estrangeiros Diretos, a estimativa dos analistas do mercado para o ingresso de recursos em 2011 permaneceu estável em US$ 42 bilhões. Para 2012, a expectativa de entrada de recursos no Brasil recuou de US$ 43,85 bilhões para US$ 43 bilhões.

Arquivos
  • setembro 2021
  • agosto 2021
  • julho 2021
  • junho 2021
  • maio 2021
  • abril 2021
  • março 2021
  • fevereiro 2021
  • janeiro 2021
  • dezembro 2020
  • novembro 2020
  • outubro 2020
  • setembro 2020
  • agosto 2020
  • julho 2020
  • junho 2020
  • maio 2020
  • abril 2020
  • março 2020
  • fevereiro 2020
  • janeiro 2020
  • dezembro 2019
  • novembro 2019
  • outubro 2019
  • setembro 2019
  • agosto 2019
  • julho 2019
  • junho 2019
  • maio 2019
  • abril 2019
  • março 2019
  • fevereiro 2019
  • janeiro 2019
  • dezembro 2018
  • novembro 2018
  • outubro 2018
  • setembro 2018
  • agosto 2018
  • julho 2018
  • junho 2018
  • maio 2018
  • abril 2018
  • março 2018
  • fevereiro 2018
  • janeiro 2018
  • dezembro 2017
  • novembro 2017
  • outubro 2017
  • setembro 2017
  • agosto 2017
  • julho 2017
  • junho 2017
  • maio 2017
  • abril 2017
  • março 2017
  • fevereiro 2017
  • janeiro 2017
  • dezembro 2016
  • novembro 2016
  • outubro 2016
  • setembro 2016
  • agosto 2016
  • julho 2016
  • junho 2016
  • maio 2016
  • abril 2016
  • março 2016
  • fevereiro 2016
  • janeiro 2016
  • dezembro 2015
  • novembro 2015
  • outubro 2015
  • setembro 2015
  • agosto 2015
  • julho 2015
  • junho 2015
  • maio 2015
  • abril 2015
  • março 2015
  • fevereiro 2015
  • janeiro 2015
  • dezembro 2014
  • novembro 2014
  • outubro 2014
  • setembro 2014
  • agosto 2014
  • julho 2014
  • junho 2014
  • maio 2014
  • abril 2014
  • março 2014
  • fevereiro 2014
  • janeiro 2014
  • dezembro 2013
  • novembro 2013
  • outubro 2013
  • setembro 2013
  • agosto 2013
  • julho 2013
  • junho 2013
  • maio 2013
  • abril 2013
  • março 2013
  • fevereiro 2013
  • janeiro 2013
  • dezembro 2012
  • novembro 2012
  • outubro 2012
  • setembro 2012
  • agosto 2012
  • julho 2012
  • junho 2012
  • maio 2012
  • abril 2012
  • março 2012
  • fevereiro 2012
  • janeiro 2012
  • dezembro 2011
  • novembro 2011
  • outubro 2011
  • setembro 2011
  • agosto 2011
  • julho 2011
  • junho 2011
  • maio 2011
  • abril 2011
  • março 2011
  • fevereiro 2011
  • janeiro 2011
  • dezembro 2010
  • novembro 2010
  • outubro 2010
  • setembro 2010
  • agosto 2010
  • julho 2010
  • junho 2010