Telefone: 13 3878-8400  |  E-mail: consultoria@creditoemercado.com.br

Consultoria em InvestimentosConsultoria em Investimentos

novembro 23rd, 2010

Mercado eleva mais uma vez projeção para inflação em 2010 e 2011

A edição do Relatório de Mercado Focus desta semana, mostra que os analistas do mercado financeiro elevaram a estimativa para a alta de preços pesquisada  pelo IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo tanto em 2010 como em 2011. Segundo o relatório Focus, divulgada hoje, 22/11 pelo Banco Central do Brasil. A projeção para a inflação no ano de 2010 foi elevada de 5,48% para 5,58%, em um nível ainda mais afastado do centro da meta de inflação para este ano, que é de 4,50%. A estimativa para o IPCA em 2011 também foi elevada de 5,05% para 5,15%.

Em relação a inflação de curto prazo, os economista do mercado elevaram de 0,55% para 0,65% a projeção para o IPCA de novembro. Para os números do índice de inflação de dezembro, a taxa esperada manteve-se em 0,50%.

A expectativa para o crescimento do PIB – Produto Interno Bruto para 2010, de acordo com os dados colhidos juntos aos analista do mercado financeiro , e apresentada pela pesquisa Focus, não foi alterada. A estimativa para o crescimento da economia em 2010 permanece em 7,60%.

Para 2011, a estimativa para o crescimento da economia foi conservada em 4,50%. A expectativa para a produção industrial em 2010 caiu de 11,07% para 11,00%. Para 2011, a projeção para a expansão da indústria subiu de 5,25% para 5,40%.

Taxa Juros e Cambio

O Focus desta semana, mantém a expectativa dos analistas para a Selic (a taxa básica de juros da economia) tanto para o fim de 2010 e 2011. A projeção para a Selic no fim de 2010 ficou em 10,75%. Para o fim de 2011, em 12,00%.

O mercado financeiro  manteve o patamar aguardado para a moeda norte americana no fim de 2010. A taxa de câmbio esperada para o fim de dezembro permaneceu em R$ 1,70. Para o fim de 2011, a perspectiva para o dólar continuou em R$ 1,75. A projeção do câmbio médio ao longo de 2010 manteve-se em R$ 1,76 e para o câmbio médio em 2011 continuou em R$ 1,74.

Balanço de Pagamentos

Os analistas do mercado financeiro mantiveram as projeções para o déficit nas contas externas em 2010. A expectativa para o déficit em conta corrente neste ano é de US$ 50 bilhões. Para o ano de 2011, a estimativa de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos subiu de US$ 68,00 bilhões para US$ 68,06 bilhões.

A projeção de superávit comercial em 2010 continuou em US$ 16,00 bilhões. Para o ano de 2011, a estimativa para o saldo da balança comercial permaneceu em US$ 8 bilhões. O mercado financeiro  não alterou a estimativa de ingresso de IED – Investimento Estrangeiro Direto para 2010, de US$ 30 bilhões. Para 2011, a projeção recuou de US$ 37,0 bilhões para US$ 36,0 bilhões.

O mercado hoje

Mercado financeiro reage negativamente, nesta manhã, o investidor busca refúgio no dólar e no ouro, fugindo dos ativos de maior risco.

Na Europa as bolsas da região registram pesadas perdas: Londres -0,52%; França: -0,68% e Alemanha: –0,19%. Na Ásia, a bolsa chinesa registrou queda de 1,94%, enquanto Hong Kong recuou 2,67%. No Japão, o índice Nikkei mostrou valorização de 0,93%.O euro se desvaloriza 0,28%, sendo cotado a US$ 1,3588/€.

Nos Estados Unidos, os futuros dos índices S&P e D&J registram quedas de 0,71% e 0,54%.

No mercado de commodities, o ouro sobe 0,50%, enquanto as cotações das demais commodities, principalmente as metálicas, encontram-se em queda. O barril de petróleo  está cotado a US$ 81,46, com queda de 0,29%.

Nos mercados brasileiros, a atenção continuará focada no mercado de juros. Incertezas quanto ao eventual substituto de Henrique Meirelles no comando do banco central e preocupações com a inflação devem manter pressionada a curva de juros futuros. Será divulgado o IPCA-15 de novembro, que segundo o consenso do mercado deverá registrar inflação de 0,72% no período. Para o Ibovespa, o mau humor que predomina no exterior deve impedir um bom desempenho para o mercado acionário brasileiro, ao mesmo tempo em que a maior aversão ao risco, favorecendo a moeda americana, pode determinar nova depreciação para o real.