‘Sem categoria’

Nossa Visão 09/05/2022

RETROSPECTIVA

Em uma semana marcada por fortes emoções, alta dos juros e perdas do Ibovespa, o principal índice da bolsa fechou o último dia em leve queda, acompanhando os mercados globais. A aversão a riscos e os balanços do primeiro trimestre ditaram as regras do dia e o Ibovespa fechou a sexta-feira em queda de 0,16%, aos 105.135 pontos. Na semana, as perdas foram de 2,54%. Assim, no ano, o índice apresenta uma alta tímida, de 0,3%.

O dólar engatou a terceira semana de ganhos, mais longa série do tipo desde outubro do ano passado. O real teve nesta semana o pior desempenho entre alguns de seus principais pares emergentes. E especuladores que operam na Bolsa de Chicago realizaram nos sete dias findos em 3 de maio a maior venda líquida de contratos de real desde meados de março, demonstrando menor otimismo com a moeda brasileira.

A moeda norte-americana era negociada a R$ 5,0733 para venda – maior valor desde 16 de março, quando valia R$ 5,0917.
Com o resultado, passou a acumular alta de 2,69% na semana e no mês.

A Selic passou de 11,75% para 12,75% ao ano, e o Brasil voltou à liderança do ranking de maiores juros reais dentre as maiores economias do mundo, com a taxa básica do país.

O Federal Reserve, o banco central americano, anunciou na quarta-feira a elevação da taxa de juros em 0,50 pontos percentuais e o início da redução do seu balanço patrimonial. A declaração do presidente do Fed, Jerome Powell, de que uma alta de 0,75 p.p não está sendo estudada empolgou os mercados na quarta-feira, mas a reação nos dias subsequentes mostra que os investidores ainda enxergam um cenário de dificuldades.

Vale lembrar que o Brasil registrou 19.725 novos casos de Covid-19 na última sexta-feira, o que leva o total de infectados pela doença no país a 30.543.908, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, números voltam a assustar com uma possível volta das restrições.

RELATÓRIO FOCUS:

O Banco Central (BC) anunciou, na última quarta-feira (4), que vai voltar a suspender a divulgação de análises e indicadores econômicos devido à greve dos servidores da entidade.

Segundo o BC, as novas datas para as divulgações serão informadas à imprensa com 24 horas de antecedência. Durante a primeira paralisação, os indicadores que incluem o boletim Focus, o Relatório de Poupança e o IBC-Br foram afetados e tiveram que ter as divulgações adiadas.

PERSPECTIVA

Os mercados de capitais foram abalados na semana passada, depois que o Federal Reserve entregou a alta dos juros de meio ponto percentual amplamente antecipada e sinalizou movimentações semelhantes nas próximas reuniões enquanto combate à inflação em escalada, e pode haver mais volatilidade em estoque se os dados de inflação de quarta-feira forem mais altos do que o esperado

Após uma semana de alta na taxa de juros básica da economia brasileira, a Selic, em 1 p. p. conforme esperado pelo mercado, com objetivo de frear a inflação, os brasileiros voltam o foco nos próximos dias para os dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), referente ao mês de abril, que será divulgado na quarta (11). O IPCA de março atingiu 11,30% em 12 meses, enquanto a projeção para abril é de 12,04%.

Com a retomada da greve dos servidores do BC, não está prevista publicação do Boletim nesta segunda, e não se sabe se a ata do Copom, prevista para terça-feira, pode atrasar.

Os dados do IPC para abril, agendados para saírem na quarta-feira, irão mostrar se a maior escalada da inflação em mais de 40 anos atingiu o seu pico. A taxa anual de inflação atingiu 8,5% em março, enquanto os preços da gasolina atingem valores recordes.

A China vai publicar dados sobre o comércio e a inflação na segunda-feira, revelando o impacto dos lockdowns contra a Covid-19 na segunda maior economia do mundo.

A União Europeia está prestes a chegar a acordo sobre uma nova rodada de sanções contra Moscou pela invasão da Ucrânia, incluindo um embargo gradual ao petróleo russo, que constitui mais de um quarto das importações da UE.

Sobre a nossa ótica, mantivemos a não recomendação de fundos de longuíssimo prazo (IMA-B 5+ E IDKA 20A), 5% em fundos de longo prazo (IMA-B TOTAL E FIDC/ CRÉDITO PRIVADO/ DEBÊNTURE) e 30% em fundos Gestão Duration.

Diante da expectativa de alta na taxa de juros fundos atrelados ao CDI tendem a ter bom desempenho, indicamos uma maior porcentagem de exposição em fundos de curto prazo (CDI), que agora passa a ser 15%, enquanto os fundos de médio prazo, passam a representar 10% de acordo com a nossa alocação tática.

Em relação aos fundos pré-fixados, não recomendamos a estratégia, pois diante da expectativa de alta na taxa de juros o desempenho destes fundos tende a ser afetado. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (IRF-M1, IDkA IPCA 2A).

Já para os títulos públicos, seguindo nossa ótica e diante das seguidas elevações na taxa de juros demonstram ser uma boa oportunidade. Recomendamos que a exposição seja feita primeiramente utilizando a marcação à mercado, e posteriormente quando atingindo o valor esperado, seja feita a transferência para marcação na curva.

Uma alternativa que vem se mostrando forte nos últimos tempos, e que possui boa expectativa, é a diversificação em fundos de investimento no exterior, recomendamos primeiramente a exposição em fundos com hedge com 5% para posteriormente realizar uma entrada gradativa em fundos que não utilizam hedge cambial também com 5%.

Quanto a fundos de ações atrelados a economia doméstica recomendamos a entrada gradativa de modo que o investidor fique atento a oportunidades da bolsa de valores, construindo um preço médio mais atrativo.

Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.

Estratégia de Alocação dos Recursos no Longo Prazo – Renda Fixa e Variável
Renda Fixa 60%
Longuíssimo Prazo (IMA-B 5+ e IDKA 20A) 0%
Longo Prazo (IMA-B Total e FIDC/ Crédito Privado/ Fundo Debênture) 5%
Gestão do Duration 30%
Médio Prazo (IRF-M Total, IMA-B 5 e IDKA 2) 10%
Curto Prazo (CDI, IRF-M 1 e CDB) 15%
Renda Variável 30%
Fundos de Ações 20%
Multimercados 5%
Fundos de Participações * 2,5%
Fundos Imobiliários * 2,5%
Investimento no Exterior
Fundos de Investimentos no Exterior (Hedge)
Fundos de Investimentos no Exterior 10%
5%
5%
* Aos clientes que investem em Fundos de Participações e Fundos Imobiliários em percentual superior a 2,5% em cada, reduzir a exposição aos Fundos de Ações na proporção desse excesso.

Nossa Visão 02/05/2022

RETROSPECTIVA


Tivemos uma semana que apresentou resultados negativos tanto para a bolsa de valores, quanto para o câmbio.

O Ibovespa encerrou a semana com queda de -2,9% aos 108 mil pontos. Em abril, o índice acumulou queda de -10,1%, sendo o primeiro mês do ano negativo. Além disso, os mercados globais também enfrentaram resultados negativos, sendo que a Nasdaq teve o pior mês desde outubro de 2008 e o S&P 500 teve o pior mês desde março de 2020.

Já o real se desvalorizou e o dólar encerrou a semana com alta de 3,1%, com cotação de R$4,98/US$.

Na semana também teve a divulgação do IPCA-15 para o mês de abril, o qual apresentou alta de 1,73%, sendo o maior valor desde 1995, entretanto, está abaixo das expectativas.

A Câmara aprovou a medida que torna o “Auxílio Brasil” no valor de R$ 400,00 permanente.

O PIB dos EUA recuou -1,4% no primeiro trimestre de 2022, estando abaixo do consenso, que esperava crescimento de 1,1%.

O índice de preços de gastos com consumo norte americano (medida de inflação do Fed) apresentou alta de 5,2%, estando em linha com o esperado.
A política de zero-Covid da China prejudica as perspectivas de recuperação econômica global e intensifica os problemas nas cadeias produtivas globais. O rumor de um possível novo lockdown se intensificou com a expansão dos testes em massa em Pequim. Por outro lado, o governo chinês reafirmou que implementará políticas para estimular a economia.

O porto de Xangai não está descarregando mercadorias dos inúmeros navios que aguardam a liberação para o descarregamento, inclusive de alimentos. Como resultado, pressionará o aumento da inflação mundial.

O preço do barril de petróleo e no minério de ferro tiveram uma leve queda, ocasionado pela possível desaceleração econômica chinesa.

A Rússia anunciou corte de fornecimento de gás à Polônia e à Bulgária. Além disso, o governo russo fez ameaças de conflito nuclear à Ucrânia.

RELATÓRIO FOCUS 29/04/2022



Para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a projeção aumentou de 7,65% para 7,89% em 2022. Para 2023, a previsão para o IPCA subiu de 4,00% para 4,10%. Para 2024, as estimativas se mantiveram em 3,20%. Para 2025, as projeções ficaram em 3,00%.

A projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) se aumentou de 0,65% para 0,70% em 2022. Para 2023, a estimativa se manteve em 1,00%. Para 2024 a projeção se manteve em 2,00%, e para 2025, a projeção também se manteve em 2,00%.

Para a taxa de câmbio em 2022, o valor se manteve em R$5,00. Para 2023, a projeção aumentou de R$ 5,00 para R$5,04. Para o ano de 2024, a projeção caiu de R$ 5,05 para R$ 5,00, e para 2025 a projeção diminuiu de R$5,10 para R$5,02.

Para a taxa Selic em 2022, a projeção se manteve em 13,25%. No ano seguinte, a projeção subiu de 9,00% para 9,25%. Em 2024 a projeção permaneceu em 7,50% e para 2025, as projeções se mantiveram em 7,00%.


EXPECTATIVAS


No Brasil, o destaque será o Copom, que irá definir a taxa básica de juro, o qual possui expectativas de alta de 1%, elevando a Selic para 12,75% a.a. Além disso, serão divulgados o IBC-Br de fevereiro e a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) referente a março, estatísticas fiscais de fevereiro e o IGP-DI de abril.

Já nos EUA, teremos a definição da taxa de juros americana pelo FOMC, Comitê de Política Monetária do Fed. O mercado espera uma elevação de 0,5 p.p. Além disso, será divulgado os dados de emprego de abril.

Teremos a divulgação da inflação ao produtor e a taxa de desemprego na Europa para março e a divulgação dos índices de gerentes de compras de países desenvolvidos.

Quanto a nossa recomendação, permanece a sugestão de cautela ao assumir posições mais arriscadas no curto prazo, a volatilidade nos mercados deve se manter ainda sem desenhar um horizonte claro, em razão principalmente pelo nosso cenário político.

Sobre a nossa ótica, mantivemos a não recomendação de fundos de longuíssimo prazo (IMA-B 5+ E IDKA 20A), 5% em fundos de longo prazo (IMA-B TOTAL E FIDC/ CRÉDITO PRIVADO/ DEBÊNTURE) e 30% em fundos Gestão Duration.

Diante da expectativa de alta na taxa de juros fundos atrelados ao CDI tendem a ter bom desempenho, indicamos uma exposição de 15% em fundos de curto prazo (CDI), enquanto os fundos de médio prazo representam 10% de acordo com a nossa alocação tática.
Em relação aos fundos pré-fixados, não recomendamos a estratégia, pois diante da expectativa de alta na taxa de juros o desempenho destes fundos tende a ser afetado. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (IRF-M1, IDkA IPCA 2A).

Já para os títulos públicos, seguindo nossa ótica e diante das seguidas elevações na taxa de juros demonstram ser uma boa oportunidade. Recomendamos que a exposição seja feita primeiramente utilizando a marcação à mercado, e posteriormente quando atingindo o valor esperado, seja feita a transferência para marcação na curva.

Uma alternativa que vem se mostrando forte nos últimos tempos, e que possui boa expectativa, é a diversificação em fundos de investimento no exterior, recomendamos primeiramente a exposição em fundos com hedge com 5% para posteriormente realizar uma entrada gradativa em fundos que não utilizam hedge cambial também com 5%.

Quanto a fundos de ações atrelados a economia doméstica recomendamos a entrada gradativa de modo que o investidor fique atento a oportunidades da bolsa de valores, construindo um preço médio mais atrativo.

Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.

Nossa Visão 26/04/2022

Retrospectiva.


Na semana terminada no dia 22/04, mais curta por conta do feriado de Tiradentes (21), o índice Ibovespa encerrou a sexta-feira (22) com queda de 2,86%, o que representou uma pontuação de 111.077,51 pontos, no acumulado semanal a queda foi de 4,39%. Essa e a maior queda em um dia desde 26 novembro de 2021, quando o índice contemplou uma queda de 3,39%.

O dólar, na esteira de momentos de maiores incertezas, se firmou como um ativo seguro para cenários como os atuais e, teve aumento de sua demanda interna fechando a sexta-feira com uma alta de 4,07%, sendo contado em R$ 4,80. Esse aumento representou a maior alta percentual desde 16 de março de 2020 em um único dia, momento em que se iniciou a pandemia da covid 19.

Na respectiva semana, a moeda americana teve uma valorização 2,34% e em 2022, registrou até a semana passada uma desvalorização de 13,76%.

O seguinte cenário atual confirma o momento com maiores incertezas, tanto interna quanto externamente, além da percepção de uma inflação ainda com viés de alta, o que por sua vez faz o mercado ficar mais cauteloso e buscar ativos que represente maior segurança para os investidores, como o dolar e os títulos americanos em detrimento da renda variável e do real.
Tal incerteza se dá por conta dos novos conflitos entre o presidente da república e o poder judiciário envolvendo o “caso Daniel Silveira”, quando o presidente concedeu a graça ao respectivo Deputado Federal em oposição a decisão condenatória do Supremo Tribunal Federal (STF).

No ambiente internacional, o FED (Federal Reserve Bank), a ponta cada vez mais para um aperto monetário com o objetivo de minimizar elevação da inflação que acomete toda a economia mundial resultante dos estímulos contra a pandemia e a quebra de produção com dimensões globais que se perpetua até o atual momento na maior parte das economias.

A boa notícia, ou que ao menos ameniza as condições desfavoráveis vem do continente asiático onde, na semana passada foi divulgado o resultado trimestral do PIB Chinês. A China avançou 4,8% no último trimestre encerrado em março contra o trimestre imediatamente anterior, a estimativa para o trimestre era de um crescimento de 4,6% para alguns analistas consultados pelo The Wall Street Journal, percentual que também supera o mesmo período do ano anterior, onde houve um crescimento registrado na casa dos 4%.

No continente europeu o final da semana foi marcado pela reeleição do presidente frances Emmanuel Macron, sendo o primeiro presidente do país a conseguir o feito.

A França é atualmente a sétima maior economia do mundo, atrás da Alemanha e possui forte influência nas decisões que podem impactar tanto na zona do euro como nas demais economias do mundo, como por exemplo, nos assuntos pertinentes aos conflitos entre Rússia e Ucrânia.

Boletim Focus.


A greve de alguns colaboradores do Banco Central que afetou a divulgação do Boletim Focus nas últimas semanas, entre outras informações, foi suspensa (temporariamente) até a presente data.

A categoria aguarda do governo uma proposta contemplando reajuste linear para todas as categorias federais de 5% e outros dois pontos não salariais para que, em caso de acordo entre as partes, a greve seja definitivamente suspensa.
Na terça-feira (26), às 8h30, a entidade pretende divulgar ao mercado o Boletim Focus da respectiva semana.

Perspectivas.


Não obstante o bom desempenho acima para das estimativas para PIB chinês, os próximos meses devem encontrar algumas dificuldades adicionais para o desenvolvimento da economia chinesa, como por exemplo, a expansão das restrições de mobilidade devido ao aumento de casos no país.

O presidente Xi aspira permanecer à frente do país por mais cinco anos o que pode ser um propulsor adicional para manter ou elevar os estímulos na economia asiática, resultando em um aumento para a sua popularidade.

Na França a perspectiva, mediante a pauta do reeleito presidente Macron é de pleno emprego para os franceses nos próximos anos após o combate a pandemia da covid-19, além da redução de impostos. Em sua campanha Macron prometeu uma redução de quase US$ 11 bilhões, como também de recompensar os professores do país por seus méritos.

Outra de uma de suas principais medidas é impulsionar a energia nuclear, com o objetivo energético e desenvolver concomitantemente fontes renováveis.

A semana terá em seu calendário a divulgação dos dados referente a produção do setor de construção na zona do euro e do pronunciamento de Fábio Panetta (membro do Comitê Executivo do Banco Central Europeu) que normalmente tem sua fala dirigida a direção da política monetária europeia para os próximos meses (25).

Na Terça (26), serão divulgados a dívida líquida do setor público europeu; o índice de preços dos imóveis, a confiança do consumidor, venda de casas novas ambos dados referente aos Estados Unidos.

Na quinta (28), será divulgado o Relatório do Mensal do BCE, expectativa de inflação ao consumidor europeu.

No fechamento da semana, sexta (29), serão transmitidos ao mercado informações relacionadas a taxa de desemprego no Brasil e a dívida bruta do Brasil com dados de fechamento em fevereiro.


Quanto a nossa recomendação, permanece a sugestão de cautela ao assumir posições mais arriscadas no curto prazo, a volatilidade nos mercados deve se manter ainda sem desenhar um horizonte claro, em razão principalmente pelo nosso cenário político.


Sobre a nossa ótica, mantivemos a não recomendação de fundos de longuíssimo prazo (IMA-B 5+ E IDKA 20A), 5% em fundos de longo prazo (IMA-B TOTAL E FIDC/ CRÉDITO PRIVADO/ DEBÊNTURE) e 30% em fundos Gestão Duration.

Diante da expectativa de alta na taxa de juros fundos atrelados ao CDI tendem a ter bom desempenho, indicamos uma exposição de 15% em fundos de curto prazo (CDI), enquanto os fundos de médio prazo representam 10% de acordo com a nossa alocação tática.

Em relação aos fundos pré-fixados, não recomendamos a estratégia, pois diante da expectativa de alta na taxa de juros o desempenho destes fundos tende a ser afetado. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (IRF-M1, IDkA IPCA 2A).

Já para os títulos públicos, seguindo nossa ótica e diante das seguidas elevações na taxa de juros demonstram ser uma boa oportunidade. Recomendamos que a exposição seja feita primeiramente utilizando a marcação à mercado, e posteriormente quando atingindo o valor esperado, seja feita a transferência para marcação na curva.


Uma alternativa que vem se mostrando forte nos últimos tempos, e que possui boa expectativa, é a diversificação em fundos de investimento no exterior, recomendamos primeiramente a exposição em fundos com hedge com 5% para posteriormente realizar uma entrada gradativa em fundos que não utilizam hedge cambial também com 5%.

Quanto a fundos de ações atrelados a economia doméstica recomendamos a entrada gradativa de modo que o investidor fique atento a oportunidades da bolsa de valores, construindo um preço médio mais atrativo.

Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.

Nossa Visão 18/04/2022

Retrospectiva


Na semana mais curta por conta da Sexta-Feira Santa, o dólar a encerrou com queda de -1,66% em relação ao real, sendo cotado a R$4,69. A moeda já acumula baixa de -1,31% na parcial do mês de abril, já no ano, apresenta queda de 15,75% frente ao real.

O Ibovespa apresentou resultados negativos e encerrou a semana com queda de -0,50% e 116 mil pontos.

Após os resultados da inflação de março serem divulgados, o presidente do Banco Central informou que está reavaliando a possibilidade de nova alta para a taxa Selic.

Os dados de serviços do mês de fevereiro divulgados, apresentaram queda de -0,20%, porém as expectativas do mercado eram de que houvesse alta de 0,70%. Já as vendas do comércio varejista apresentaram resultado positivo e acima do esperado, com alta de 2%.

Os servidores públicos do poder executivo terão reajuste de 5% nos salários a partir de julho, o que impactará o teto de gastos para esse ano.

A guerra entre a Rússia e Ucrânia provocaram alta das commodities energéticas. Além disso, a Suécia e a Finlândia continuam a sinalizar a intenção de adesão à OTAN.

A inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, apresentou alta de 1,2% em março e alta de 8,5% no acumulado de 12 meses, ocasionado principalmente pelos aumentos nos preços dos alimentos e dos combustíveis. Como resultado, o mercado projeta que o banco central americano eleve a taxa básica de juros em 0,50% no mês de maio.

O Banco Central Europeu, manteve a taxa básica de juros em 0% ao ano. Entretanto, na Zona Euro, a inflação bateu recorde e alcançou 7,5% em 12 meses.

Na China, a população protestou contra a medida de lockdown, após o aumento nos casos de Covid-19 baterem sucessivos recordes diários desde o início da pandemia.

Relatório Focus

O Banco Central adiou novamente nesta segunda-feira a divulgação do boletim Focus e outros indicadores econômicos. Os servidores da autoridade monetária iniciaram uma greve na sexta-feira (1), onde cobram um reajuste salarial de 26,3% e restruturações de carreiras. Entre a sexta-feira passada e esta segunda-feira, a adesão à greve é de quase 80%, segundo o sindicato responsável pela categoria. Mediante esse cenário, os dados não serão divulgados entre esta segunda feira, segundo notificou a autarquia federal.


Expectativas

No Brasil, serão divulgados os dados do IGP-10 e IBC-Br.

Na Zona do Euro, serão divulgadas a inflação ao produtor e ao consumidor referentes ao mês de março. Além disso, também será divulgado os dados da produção industrial.

Os EUA, irá divulgar os dados de estoque de petróleo bruto, o qual mede a mudança semanal no número de barris de petróleo bruto mantidos por empresas do país.

A presidente do Banco Central Europeu, a qual é responsável por definir as taxas de juros de curto prazo, fará um pronunciamento na quinta feira.

Sendo assim, permanece a recomendação de cautela ao assumir posições mais arriscadas no curto prazo, a volatilidade nos mercados deve se manter ainda sem desenhar um horizonte claro, em razão principalmente pelo nosso cenário político.

Sobre a nossa ótica, mantivemos a não recomendação de fundos de longuíssimo prazo (IMA-B 5+ E IDKA 20A), 5% em fundos de longo prazo (IMA-B TOTAL E FIDC/ CRÉDITO PRIVADO/ DEBÊNTURE) e 30% em fundos Gestão Duration.

Diante da expectativa de alta na taxa de juros fundos atrelados ao CDI tendem a ter bom desempenho, indicamos uma exposição de 15% em fundos de curto prazo (CDI), enquanto os fundos de médio prazo representam 10% de acordo com a nossa alocação tática.

Em relação aos fundos pré-fixados, não recomendamos a estratégia, pois diante da expectativa de alta na taxa de juros o desempenho destes fundos tende a ser afetado. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (IRF-M1, IDkA IPCA 2A).

Já para os títulos públicos, seguindo nossa ótica e diante das seguidas elevações na taxa de juros demonstram ser uma boa oportunidade. Recomendamos que a exposição seja feita primeiramente utilizando a marcação à mercado, e posteriormente quando atingindo o valor esperado, seja feita a transferência para marcação na curva.

Uma alternativa que vem se mostrando forte nos últimos tempos, e que possui boa expectativa, é a diversificação em fundos de investimento no exterior, recomendamos primeiramente a exposição em fundos com hedge com 5% para posteriormente realizar uma entrada gradativa em fundos que não utilizam hedge cambial também com 5%.

Quanto a fundos de ações atrelados a economia doméstica recomendamos a entrada gradativa de modo que o investidor fique atento a oportunidades da bolsa de valores, construindo um preço médio mais atrativo.
Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.


Estratégia de Alocação dos Recursos no Longo Prazo – Renda Fixa e Variável
Renda Fixa 60%
Longuíssimo Prazo (IMA-B 5+ e IDKA 20A) 0%
Longo Prazo (IMA-B Total e FIDC/ Crédito Privado/ Fundo Debênture) 5%
Gestão do Duration 30%
Médio Prazo (IRF-M Total, IMA-B 5 e IDKA 2) 10%
Curto Prazo (CDI, IRF-M 1 e CDB) 15%
Renda Variável 30%
Fundos de Ações 20%
Multimercados 5%
Fundos de Participações * 2,5%
Fundos Imobiliários * 2,5%
Investimento no Exterior
Fundos de Investimentos no Exterior (Hedge)
Fundos de Investimentos no Exterior 10% 5% 5%
* Aos clientes que investem em Fundos de Participações e Fundos Imobiliários em percentual superior a 2,5% em cada, reduzir a exposição aos Fundos de Ações na proporção desse excesso.

Arquivos
  • agosto 2022
  • julho 2022
  • junho 2022
  • maio 2022
  • abril 2022
  • março 2022
  • fevereiro 2022
  • janeiro 2022
  • dezembro 2021
  • novembro 2021
  • outubro 2021
  • setembro 2021
  • agosto 2021
  • julho 2021
  • junho 2021
  • maio 2021
  • abril 2021
  • março 2021
  • fevereiro 2021
  • janeiro 2021
  • dezembro 2020
  • novembro 2020
  • outubro 2020
  • setembro 2020
  • agosto 2020
  • julho 2020
  • junho 2020
  • maio 2020
  • abril 2020
  • março 2020
  • fevereiro 2020
  • janeiro 2020
  • dezembro 2019
  • novembro 2019
  • outubro 2019
  • setembro 2019
  • agosto 2019
  • julho 2019
  • junho 2019
  • maio 2019
  • abril 2019
  • março 2019
  • fevereiro 2019
  • janeiro 2019
  • dezembro 2018
  • novembro 2018
  • outubro 2018
  • setembro 2018
  • agosto 2018
  • julho 2018
  • junho 2018
  • maio 2018
  • abril 2018
  • março 2018
  • fevereiro 2018
  • janeiro 2018
  • dezembro 2017
  • novembro 2017
  • outubro 2017
  • setembro 2017
  • agosto 2017
  • julho 2017
  • junho 2017
  • maio 2017
  • abril 2017
  • março 2017
  • fevereiro 2017
  • janeiro 2017
  • dezembro 2016
  • novembro 2016
  • outubro 2016
  • setembro 2016
  • agosto 2016
  • julho 2016
  • junho 2016
  • maio 2016
  • abril 2016
  • março 2016
  • fevereiro 2016
  • janeiro 2016
  • dezembro 2015
  • novembro 2015
  • outubro 2015
  • setembro 2015
  • agosto 2015
  • julho 2015
  • junho 2015
  • maio 2015
  • abril 2015
  • março 2015
  • fevereiro 2015
  • janeiro 2015
  • dezembro 2014
  • novembro 2014
  • outubro 2014
  • setembro 2014
  • agosto 2014
  • julho 2014
  • junho 2014
  • maio 2014
  • abril 2014
  • março 2014
  • fevereiro 2014
  • janeiro 2014
  • dezembro 2013
  • novembro 2013
  • outubro 2013
  • setembro 2013
  • agosto 2013
  • julho 2013
  • junho 2013
  • maio 2013
  • abril 2013
  • março 2013
  • fevereiro 2013
  • janeiro 2013
  • dezembro 2012
  • novembro 2012
  • outubro 2012
  • setembro 2012
  • agosto 2012
  • julho 2012
  • junho 2012
  • maio 2012
  • abril 2012
  • março 2012
  • fevereiro 2012
  • janeiro 2012
  • dezembro 2011
  • novembro 2011
  • outubro 2011
  • setembro 2011
  • agosto 2011
  • julho 2011
  • junho 2011
  • maio 2011
  • abril 2011
  • março 2011
  • fevereiro 2011
  • janeiro 2011
  • dezembro 2010
  • novembro 2010
  • outubro 2010
  • setembro 2010
  • agosto 2010
  • julho 2010
  • junho 2010