EQUIPE CRÉDITO E MERCADO ACOMPANHA PROCESSO DE ADESÃO E CERTIFICAÇÃO DO IPASP – INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL DOS FUNCIONÁRIOS MUNICIPAIS DE PIRACICABA

Desde a segunda-feira, dia 07/06, os gestores do IPASP recebem a visita do consultor da Crédito e Mercado responsável pela assessoria de implantação, como parte do processo de adesão e certificação ao Pró­Gestão – Programa de Certificação Institucional e Modernização da Gestão dos Regimes Próprios de Previdência Social.

A adesão do IPASP ao Pró-Gestão efetivado em dezembro de 2020 tem como objetivo a implantação das boas práticas de gestão inseridas nas ações amparados em três pilares: controles internos, governança corporativa e educação previdenciária, estabelecendo assim padrões de atividades com maior controle e transparência.

Com a adesão, o IPASP deu início a um processo de definição do nível de aderência maís adequado ao seu porte e perfil. A identificação dos pontos críticos e a identificação dos ajustes necessários às ações recomendadas, permitirão a conquista da Certificação ao Pró-Gestão. A conquista tornará o IP ASP investidor qualificado, permitindo acessos a outra classe de fundos de investimentos e maior diversificação à carteira de investimentos.

No sentido da Governança, permitirá que o instituto tenha maior transparência e facilidade no acesso à informação aos segurados, além do reconhecimento da instituição e órgãos, com a modernização e profissionalização, entre outros benefícios” destaca Antonio Carlos Gonçalves Alves, presidente do IPASP.

O presidente explicou que o processo de implantação adesão ao Pró-Gestão inicia-se pela análise detalhada de todos os processos do IPASP. “A análise inicial nos permitiu identificar em qual Nível de aderência estamos adequados”. Salientou que não somente com a identificação do melhor nível, foi possível também identificar melhorias no contexto geral de organização e Governança.

Na foto abaixo, os gestores do IPASP, lima Araújo (Administração Geral), Graziella Mansani (Investimentos), o presidente Antônio Carlos Gonçalves Alves, Kaká e a Consultora da Crédito e Mercado, Samanta Zaniquelli.

Após a análise geral feita através do Laudo de Aderência, o IPASP elaborou seu Plano de Trabalho.

Ilma Araújo (Administração Geral), Graziella Mansani (Investimentos), o presidente Antônio Carlos Gonçalves Alves, Kaká e a Consultora da Crédito e Mercado, Samanta Zaniquelli.

NOSSA VISÃO – 14/06/2021

RETROSPECTIVA

Semana marcada pela divulgação dos dados de inflação, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, onde ambos apresentaram uma alta dos índices inflacionários acima das expectativas de mercado, fortalecendo a discussão sobre a normalização da política monetária.

A normalização de maneira total da política monetária significaria levar a taxa de juros a patamares que zere o estimulo, a estimativa é algo em torno de 6,5% ao ano para o Brasil.

Discussão que eleva as expectativas para a próxima reunião do Copom, que decidirá o andamento da taxa e comunicará os próximos passos acerca da política monetária.

O IPCA divulgado na semana veio acima das expectativas de mercado, avançando 0,83% em maio, de acordo com o IBGE, o resultado é o maior em 25 anos, onde o item que pesou mais sobre o indicador mensal foi o de energia elétrica, que subiu 5,25%.

Se por um lado a inflação vem sendo um dos principais temas em alerta, a atividade econômica vem surpreendendo positivamente, sendo revisada semana após semana para cima, levando em consideração outros pontos que favorecem o crescimento econômico, elevando o bom humor dos investidores.

Em relação aos mercados, na semana a bolsa se manteve estável, próxima ao patamar recorde atingido, 130.000 pontos, com o dólar oscilando em torno dos R$5,05. Devido a agenda mais enfraquecida e sustentada pelos acontecimentos das semanas anteriores, que evidenciaram um bom momento nos mercados acionários.

Nos Estados Unidos, a divulgação do CPI, o índice de preço norte americano, foi um dos pontos chave da semana, devido a aceleração constante da inflação por lá, em maio o índice subiu 0,6% ante a abril, alcançando 5% na comparação anual.

Com isso, a atenção se vira para a reunião do Federal Reserve que acontece dia (15/06), elevando o nível de tensão dos mercados, entretanto a agenda de vacinação acelerada vem sobrepondo e se destacando em meio as outras pautas.

Com o processo de imunização acelerado, não só nos Estados Unidos, mas como em diversas regiões do mundo, a Covid-19 vem recuando e possibilitando uma perspectiva de desenvolvimento econômico mais acelerado em âmbito global.

A chave para tal feito, são as vacinas, que em parceira com a União Europeia, Joe Biden anunciou uma ação humanitária, onde cada nação irá comprar 500 milhões de doses contra a Covid-19, destinadas para 100 países de baixa renda, como reflexo, o apetite ao risco global, se mantem.

Na Europa, a semana se encerra no campo positivo, devido a nova perspectiva de avanço econômico e o anuncio da continuação do fluxo de estímulos.

Na Ásia, o consenso de inflação controlada e política monetária estabilizada nos atuais patamares, vem permitindo uma estabilização por lá, deixando a região atenta aos acontecimentos em torno do mundo.

Em resumo, na semana, o Dow Jones caiu (0,8%), o S&P avançou 0,4% e o Nasdaq subiu 1,9%, já o Ibovespa apresentou queda de (0,52%), podendo ser interpretado como estabilidade, após os patamares recordes atingidos.

RELATÓRIO FOCUS

Para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a projeção subiu, de 5,44% para 5,82% em 2021. Para 2022, a previsão para o IPCA também subiu, de 3,70% para 3,78%. Para 2023 e 2024, as estimativas ficaram em 3,25%.

A projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) subiu, de 4,36% para a 4,85% em 2021. Para 2022, a estimativa subiu de 2,31% para 2,20%. Para 2023 e 2024, as projeções ficaram em 2,50%.

Para a taxa de câmbio, a estimativa sobre a taxa caiu de R$5,30 para R$5,18 em 2021. Para 2022, o valor também recuou de R$5,30 para R$ 5,20. Para 2023, a projeção saiu de R$5,20 para R$5,10, em 2024, o valor saiu de R$5,06 para R$5,00.

Para a taxa Selic, os analistas elevaram as estimativas de 5,75% para 6,25% em 2021. A estimativa ficou em 6,50% para 2022. Em 2023 e 2024, a projeção foi mantida em 6,50.

PERSPECTIVAS

Observaremos durante a semana a reunião do Copom para definir a taxa de juros, tendo em vista aceleração da inflação, a expectativa é de uma elevação na taxa entre 0,75 p.p. e 1 p.p.

Um ponto de atenção é em relação a crise hídrica que passamos, principalmente devido a sua contribuição para a aceleração da inflação, uma vez que os reservatórios estão em baixa, e devido ao seu peso de importância não estar sendo contabilizado nas previsões do PIB, podendo ser um ponto de susto para os próximos períodos.

As expectativas positivas em relação ao Brasil, passam por um processo de imunização mais eficiente.

Teremos agora que acompanhar as decisões do Bancos Centrais em relação a política monetária, que indica seguir com medidas contracionistas, tendo em vista o plano de vacinação em prática, a aceleração da inflação e os estímulos que seguem sendo despejados na economia.

Os dados indicam uma pressão no curto prazo nos preços ao consumidor amplo e isto pode levar o Banco Central a intensificar as discussões sobre o ritmo das reformas.

Podendo se esperar mais mudanças na taxa de juros no futuro próximo, como já é adiantado no relatório semanal do Banco central.

A partir disso, teremos que avaliar o andamento de reformas e em qual intensidade será elaborada, agora com a Câmara e Senado definido.

Devemos observar também o processo de imunização da população brasileira com novas vacinas podendo entrar no plano inicial e agora com possível produção nacional com a ButantanVac.

A preocupação com o quadro fiscal, o grave endividamento e teto de gastos, restando apenas esperar que o acordado seja respeitado, caso o desajuste fiscal aconteça, além de gerar desconfiança dos investidores estrangeiros, geraria um aumento inesperado e brusco na taxa de juros, por esse motivo, e do risco Brasil, fato que seria prejudicial para a o momento atual da economia.

Situação que o Brasil vem tentando evitar ao longo dos últimos anos, reconquistar os investidores estrangeiros, a partir de um quadro fiscal mais bem elaborado, uma agenda de reformas estruturais, que ocasionalmente levaria o Brasil a um controle maior sobre as receitas e gastos governamentais.

Apesar de todas as oscilações de mercado, as expectativas seguem sendo o plano de vacinação contra a Covid-19 e toda a pauta de reforma que segue sem definição pelo governo.

O mais recomendado para o atual momento é a cautela ao assumir posições mais arriscadas no curto prazo, a volatilidade nos mercados deve se manter sem ainda a desenhar um horizonte claro, em razão principalmente pelo nosso cenário político.

Mantemos nossa recomendação de adotar cautela nos investimentos e acompanhamento diário dos mercados e estratégias. Mantemos a sugestão para que os recursos necessários para fazer frente às despesas correntes sejam resgatados dos investimentos menos voláteis (CDI, IRF-M1, IDkA IPCA 2A). Para o IMA-B que é formado por títulos públicos indexados à inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que são as NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional – Série B ou Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), não estamos recomendando o aporte no segmento, com a estratégia de alocação em 5%, sendo indicado para os RPPS que possuem porcentagem igual ou maior, aos que possuírem porcentagem inferior a 5%, recomendamos a não movimentação no segmento. Para aqueles que enxergam uma oportunidade de investir recursos a preços mais baratos, municie-se das informações necessárias para subsidiar a tomada da decisão.

* Aos clientes que investem em Fundos de Participações e Fundos Imobiliários em percentual superior a 2,5% em cada, reduzir a exposição aos Fundos de Ações na proporção desse excesso.

Indicadores Diário – 11/06/2021

Índices de Referência – Maio/2021

NOSSA VISÃO – 07/06/2021

RETROSPECTIVA

A semana que marcou o final de maio e o início de junho consolidou o bom momento do nosso mercado acionário, onde os dados preliminares da atividade econômica que mostravam que o 1º trimestre de 2021 havia sido melhor que o antecipado, foi confirmado pela divulgação do PIB pelo IBGE.

A leitura é que a economia brasileira se mostrou resiliente perante a segunda onda de Covid, apensar de um número de óbitos superior a primeira onda, além de se favorecer no mercado de commodities, devido à alta do preço no mercado internacional, levando em consideração a importância desse setor na economia brasileira.

Devido a esse boom das commodities no mercado internacional, o brasil deve voltar a fechar as contas externas (registros de todas as transações do Brasil com o resto do mundo) no azul após 14 anos, levando o resultado de 2021 ao primeiro superávit desde 2007.

A partir desse cenário, as perspectivas de crescimento do país vendo sendo revisada semana após semana para cima, o que de fato vem favorecendo o mercado de renda variável, sendo antecipado no nosso mercado acionário, espelho da nossa economia real.

A bolsa de valores atingiu patamares recordes nas últimas sessões, cravando os 130.000 pontos, na alta de 3,63% na semana. A agenda enfraquecida levou o foco para o cenário externo, que vive um momento de recuperação economia acelerada, aumentando a propensão ao risco.

Outro ponto positivo evidenciado na semana, foi em relação a arrecadação federal, onde a aceleração da inflação no curto prazo, está trazendo um benefício fiscal para o Brasil, devido a arrecadação estar acelerando mais rápido que a despesa nesse momento.

Paulo Guedes declarou em live promovida pelo Ministério da Economia que “Agora os brasileiros estão lutando para manter os sinais vitais da economia. Mais do que isso, a economia já se reativando, estamos acelerando com as vacinas. O Brasil está indo agora em poucos meses para a produção local de vacinas, completa no Brasil, e estamos aumentando as importações de todos os tipos de vacinas”.

Como o câmbio é uma variável sensíveis a todos esses fatores macroeconômicos citados, o ambiente externo positivo aliado a melhora da perspectiva fiscal, ainda que no curto prazo, vem favorecendo o real, que tem experimentado uma valorização mais expressiva, fechando maio com 4% de valorização.

Nos pontos de atenção, os desgastes políticos seguem como um dos principais fatores de oscilação, aliado a preocupação com a inflação e todos os desdobramentos da pandemia no Brasil.

No mercado internacional, o otimismo vem sendo reflexo no processo de vacinação em alta e do dispêndio fiscal fazendo efeito, levando as principais economias, principalmente os Estados Unidos, a uma recuperação economia mais robusta.

Em resumo, os mercados globais surfam de um bom momento econômico, mas sem tirar os olhos da inflação e na escassez de alguns produtos, devido a incapacidade da oferta em acompanhar a demanda, que de certa forma foi criada a partir de um estímulo governamental.

No geral, na semana, foi deixado no pano de fundo os temas que podem gerar mais volatilidade.

RELATÓRIO FOCUS

Para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a projeção subiu, de 5,31% para 5,44% em 2021. Para 2022, a previsão para o IPCA subiu de 3,68% para 3,70%. Para 2023 e 2024, as estimativas ficaram em 3,25%.

A projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) subiu, de 3,96% para a 4,36% em 2021. Para 2022, a estimativa também subiu, de 2,25% para 2,31%. Para 2023 e 2024, as projeções permaneceram em 2,50%.

Pela terceira semana consecutiva, a taxa de câmbio ficou em R$5,30 em 2021. Para 2022 a taxa também ficou em R$5,30, pela segunda semana consecutiva. Para 2023, a projeção saiu de R$5,19 para R$5,20. Para 2024, o valor saiu de R$5,05 para R$5,06.

Para a taxa Selic, se manteve a perspectiva de 5,75% para 2021, a estimativa ficou em 6,50% em 2022. Para 2023 e 2024, a projeção foi mantida para 6,50%.